Published On: Dezembro 14th, 2022Categorias: Estudios e Investigaciones, Lusofonia, Notícias, Noticias

tt23

A área de Talent Engagement de LLYC, em colaboração com a DCH – International Human Capital Managers Organisation, compilou as 9 tendências de talento que marcarão o próximo ano no relatório Talent Trends 2023: The Z Effect.

Tudo parece indicar que 2023 não será um ano fácil. O contexto de incerteza em que o mundo se encontra torna ainda mais difícil antecipar o que está para vir. Para além de um aumento geral do custo de vida, escassez de matérias-primas, instabilidade política, a guerra na Ucrânia e relações internacionais tensas, à altura de escrever estas tendências juntam-se as turbulências e despedimentos em massa anunciados em algumas das empresas tecnológicas mais importantes do mundo: Twitter, Meta e Amazon.

Isto significa o fim do poder dos profissionais e uma inversão de algumas das medidas popularizadas pela pandemia? Veremos sem dúvida uma situação de reequilíbrio e aquela que cresceu de forma extrema devido ao hiato da COVID tenderá a regressar a uma situação mais normal. Pelo menos o crescimento não será o mesmo e isto afectará logicamente a força de trabalho. Além disso, muitas das medidas mais populares entrarão na sua fase de maturidade e as possíveis fissuras no sistema tornar-se-ão muito mais evidentes. Falamos, por exemplo, dos riscos de desconexão cultural associados ao teletrabalho.

Contudo, estamos convencidos de que muitas das mudanças são irreversíveis porque afectam não só os instrumentos mas, sobretudo, o eu interior das pessoas. Nesta linha, as tendências de 2023 podem ser agrupadas em duas áreas prioritárias: a digitalização e a aplicação da tecnologia aos processos e a humanização progressiva do trabalho.

Nesta linha, o próximo mercado de trabalho é marcado pela força do efeito Z, uma geração que começa a impor a sua cultura de trabalho às empresas, com condições mais flexíveis e maiores exigências éticas. Está também a começar a infectar as restantes gerações, exigindo empresas mais humanas, empenhadas, solidárias e ágeis.

 

Descarregar o estudo completo (Brasil) >>>>

Descarregar o estudo completo (Portugal) >>>>

 

 

Compartilhe esta notícia! Escolha sua plataforma.

Published On: Dezembro 14th, 2022Categorias: Estudios e Investigaciones, Lusofonia, Notícias, Noticias

tt23

A área de Talent Engagement de LLYC, em colaboração com a DCH – International Human Capital Managers Organisation, compilou as 9 tendências de talento que marcarão o próximo ano no relatório Talent Trends 2023: The Z Effect.

Tudo parece indicar que 2023 não será um ano fácil. O contexto de incerteza em que o mundo se encontra torna ainda mais difícil antecipar o que está para vir. Para além de um aumento geral do custo de vida, escassez de matérias-primas, instabilidade política, a guerra na Ucrânia e relações internacionais tensas, à altura de escrever estas tendências juntam-se as turbulências e despedimentos em massa anunciados em algumas das empresas tecnológicas mais importantes do mundo: Twitter, Meta e Amazon.

Isto significa o fim do poder dos profissionais e uma inversão de algumas das medidas popularizadas pela pandemia? Veremos sem dúvida uma situação de reequilíbrio e aquela que cresceu de forma extrema devido ao hiato da COVID tenderá a regressar a uma situação mais normal. Pelo menos o crescimento não será o mesmo e isto afectará logicamente a força de trabalho. Além disso, muitas das medidas mais populares entrarão na sua fase de maturidade e as possíveis fissuras no sistema tornar-se-ão muito mais evidentes. Falamos, por exemplo, dos riscos de desconexão cultural associados ao teletrabalho.

Contudo, estamos convencidos de que muitas das mudanças são irreversíveis porque afectam não só os instrumentos mas, sobretudo, o eu interior das pessoas. Nesta linha, as tendências de 2023 podem ser agrupadas em duas áreas prioritárias: a digitalização e a aplicação da tecnologia aos processos e a humanização progressiva do trabalho.

Nesta linha, o próximo mercado de trabalho é marcado pela força do efeito Z, uma geração que começa a impor a sua cultura de trabalho às empresas, com condições mais flexíveis e maiores exigências éticas. Está também a começar a infectar as restantes gerações, exigindo empresas mais humanas, empenhadas, solidárias e ágeis.

 

Descarregar o estudo completo (Brasil) >>>>

Descarregar o estudo completo (Portugal) >>>>

 

 

Compartilhe esta notícia! Escolha sua plataforma.